Qual o melhor brinquedo para a criança?

Vida

Vida
standard image post

No início do ano uma aluna da escola, de cinco anos, estava conversando comigo e relatou “Dire Thais compra umas bonecas que chorem e façam xixi de verdade”. Naquele momento lembrei-me da minha infância e respondi a ela que quando tinha a sua idade e brincava de boneca, eu imaginava que ela fazia xixi, que estava com a fralda cheia, chorava, comia e falava. Esse relato me fez pensar e estudar sobre o brincar das crianças pequenas.

Na infância dos pais e mães de hoje com certeza os brinquedos eram bem mais simples e se utilizava muitos objetos da natureza, além do corpo para brincar. Mas agora as crianças recebem muitos brinquedos prontos, nos quais só é preciso apertar um botão para que tudo aconteça. Essa observação sobre os brinquedos e o brincar atual, me fez buscar novas alternativas de “brinquedos” pensando no que cada material iria despertar nelas.

Tendo como base estudos de abordagens e práticas pedagógicas que a Escola Educação Infantil Felicità está inserindo no planejamento diário (Reggio Emília, Montessori e o Brincar Heurístico), em abril, reestruturamos todas as salas de aula e tiramos a maior parte dos brinquedos prontos para disponibilizar às crianças materiais não estruturados como: cones, pedaços de madeira, rolos de papel, tampas de diferentes tamanhos, latas, pedras, folhas, troncos, pinhas, entre outros. 

Inicialmente achei que os alunos iriam estranhar ou até recusar os novos materiais, mas foi surpreendente ver, que desde o primeiro dia, todos exploraram os materiais com bastante curiosidade. 

As modificações foram realizadas em abril e hoje posso afirmar que essas mudanças trouxeram muitos benefícios: as crianças demonstram muito mais curiosidade, menos resistência ao novo, estão permanecendo bem mais tempo concentradas em um mesmo objeto ou material, estão criando mais, imaginando mais, construindo mais. 

É emocionante perceber o quanto a observação e escutar as crianças nos ajuda, como adultos e educadores, a ter uma prática melhor.

Na Felicità as crianças estão aprendendo e brincando com materiais alternativos, para que sejam mais criteriosas, observadoras e criativas.


por Thais Braido De Toni | Especialista em Educação