Enfermagem: o milagre da vida, todos os dias

Vida

Vida
standard image post

Poucas coisas na vida se equiparam a beleza do nascimento de um ser humano. O ambiente é tomado por um clima de apreensão, mas que logo se transforma em euforia e felicidade com a chegada do recém-nascido. São momentos únicos e marcantes para os pais, médicos, mas também para profissionais da enfermagem, que com zelo e responsabilidade, auxiliam na condução dos preparativos antes, durante e depois do parto. E dentro deste seleto grupo de pessoas está Salete Schizzi, técnica de enfermagem do Centro Obstétrico do Hospital Tacchini que há 35 anos usa da sua empatia como ponte entre as dores do parto e o milagre da vida.

Cada parte do processo é uma dedicação diferente. Auxiliar e orientar as mães quando chegam para o parto, na hora do nascimento e no pós-parto, além de atender os recém-nascidos desde a chegada ao mundo até o momento de ir para casa. Salete reage com amor em todos esses momentos.  “Já auxiliei muitos partos e, em cada um deles, para cada mãe, cada recém-nascido é um sentimento sem tamanho. É sempre uma alegria poder atender, oferecer segurança e dar as informações precisas para as mães e seus familiares que chegam até nós”, conta. 


 

Enf. Salete Schizzi e enf. Angela Calegari Boeira


“Plante uma semente para gerar uma árvore para o conhecimento da vida”. Para a profissional, essa é a definição perfeita de tudo em que ela acredita como missão de vida. A responsabilidade e o comprometimento são coisas que fazem parte do seu crescimento. “Espero que eu possa continuar ajudando, orientando e vivendo com as mães, seus bebês e familiares esses bons momentos de muita alegria”, acrescenta. 

O despertar para a enfermagem veio pelo afeto de trabalhar com crianças. “Já encontrei vários bebês ainda pequenos e outros que já estão crescidos. Sinto um sentimento muito forte e alegria quando estou na rua e alguma mãe me chama para que eu veja a criança que eu ajudei a nascer, sendo a primeira pessoa a pegá-la no colo. Não importa quantos filhos uma mãe tem; cada nascimento é um momento único, uma emoção diferente”, destaca Salete.

Em média a ala de obstetrícia  do Hospital Tacchini registra 156 nascimentos por mês, sem contar o parto humanizado. Nesse ano aumentaram de 56% para 71% os partos normais em mães e bebês que apresentem boas condições de saúde. “Recebemos as clientes sempre com empatia, respeitando sua privacidade, orientando a mãe e o acompanhante e esclarecendo o que vai ser feito. Seja para consulta exames ou mesmo na internação das rotinas procuramos proporcionar um ambiente agradável, com música, cromoterapia, exercícios de relaxamento, banho e massagem. É muito gratificante estar ao lado da mãe, ajudando-a e apoiando-a num momento lindo, único em sua vida. Proporcionar o contato do bebê, colocando-o pele a pele com a mãe, permitindo o primeiro contato, a primeira mamada, a chamada primeira hora de ouro. Ver o vínculo mãe e bebê ou bebê e pai é muito gratificante”, acrescenta.