CIC-BG pleiteia retomada gradual das atividades produtivas a partir de 1º de abril

Negócios

Negócios
standard image post

Documento com proposição foi encaminhado ao Poder Público de Bento Gonçalves nessa sexta-feira

 

Na busca de uma solução que equilibre as necessidades de cumprir as medidas protetivas recomendadas pelos órgãos de saúde para coibir a proliferação do coronavírus e, também, de atender a demanda empresarial de restabelecer o fluxo econômico por meio da geração de renda, o Centro da Indústria, Comércio e Serviços de Bento Gonçalves (CIC-BG) elaborou, em aliança com diversas entidades representativas, e entregou um manifesto ao Poder Público do município em que solicita autorização para retomada gradual das atividades da indústria, comércio e serviços a partir do dia 1º de abril de 2020. A proposição sugere priorizar o isolamento social apenas dos integrantes do grupo de risco (pessoas com mais de 60 anos, gestantes, portadores de doenças respiratórias crônicas, diabéticos, cardiopatas, hipertensos e outros assim considerados neste mesmo contexto pela Organização Mundial da Saúde – OMS e pelo Ministério da Saúde do Brasil) e pede a liberação dos demais indivíduos para que possam voltar ao trabalho, buscando a retomada da normalidade na economia do município.

No entendimento da entidade, a manutenção da parada generalizadas das atividades produtivas inevitavelmente levará ao caos econômico e, por conseguinte, social. Sem a imediata retomada das atividades empresariais ocorrerá, em breve, a derrocada dos negócios, ocasionado o fim de muitos postos de trabalho, o cessar do recolhimento de tributos e, assim, o encerramento de qualquer investimento social, seja em saúde, segurança, habitação, entre outros.

"O enfrentamento do coronavírus é uma obrigação de todos, já está em curso no município e as empresas estão engajadas neste trabalho, sabedoras da necessidade de se envidar todos os esforços para garantir o melhor atendimento de saúde à população. Reforçamos nosso compromisso com o poder público municipal para o bem da comunidade, mas neste momento se faz necessário, também, atender a demanda empresarial permitindo que retomem suas operações, garantindo assim os empregos, a renda, os impostos, os investimentos sociais e enfim, que a roda da vida continue a girar", pondera o presidente do CIC-BG, Rogério Capoani.

O colapso das economias globais levará milhões à miséria, não sendo diferente o cenário no Brasil e do município de Bento Gonçalves, desataca o empresário. "É preciso retomar a atividade econômica para que não se ampliem os problemas decorrentes deste mal que nos assola. Não se trata de fazer escolhas, e sim trabalhar em conjunto: enfrentar pandemia, salvar vidas e, também, evitar a morte de empresas e com elas os empregos, a renda e a dignidade dos nossos cidadãos", diz.

Capoani reforça que o CIC-BG está engajado em ações organizadas para garantir o abastecimento da população, criando uma atmosfera de cooperação e calma, que permita passar por este período de dificuldades e restrições necessárias e ao mesmo tempo evitar gerar danos irreversíveis nos ambientes social e econômico. "Buscamos voltar a operar com toda a responsabilidade de quem tem a consciência de não ser o vírus apenas uma simples gripe e que a situação exige todo nosso cuidado, esforço e atenção, de modo que integra nossa proposta a irrestrita observância e prática de todos os protocolos internacionais, das orientações da OMS e do Ministério da Saúde naquilo que se aplica aos ambientes laborais para a total segurança dos nossos funcionários", afirma.

O manifesto do CIC-BG foi enviado ao prefeito de Bento Gonçalves, Guilherme Pasin, no dia 27 de março e é corroborado pelas entidades: APESCONTI, ASCON, CDL-BG, CONSEPRO, FUNDAPARQUE, MOVERGS, OAB, SIMMME, SIMPLAV, SINDIBENTO, SINDILOJAS, SINDMOVEIS e UVIBRA.

 

Foto: Gilmar Gomes