Espaços lúdicos na infância | por Margit Arnold Fensterseifer

Casa

Casa
standard image post

À medida que descrevemos espaços infantis torna-se importante entender: o que é a infância na caminhada humana? Afinal, como é vista a infância na atualidade? Segundo o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil: “as crianças possuem uma natureza singular, que as caracteriza como seres que sentem e pensam o mundo de um jeito muito próprio”. Assim sendo, a aprendizagem das crianças é fruto de um intenso trabalho de criação, significação e ressignificação.

Como arquitetos, ao projetar um dormitório infantil, uma brinquedoteca, uma creche ou uma sala de aula, precisamos nos inteirar deste mundo de crescimento e de criatividade. Aguçar os sentidos das crianças significa criarmos espaços com contrastes de cores, formas e texturas diferenciadas, permitir várias possibilidades de iluminação que criam cenários diferentes. A ideia de permitir espaços livres para montar cabaninhas e espalhar jogos de montar no piso possibilita a liberdade de ousar e de utilizar toda a imaginação.

O silêncio é também um ponto importante, pois permite que o sono infantil seja tranquilo, reparador e auxilie no crescimento saudável. Evitar a instalação de aparelhos eletrônicos, pois na atualidade a inserção tecnológica está tão presente que por vezes impede a criança de inventar novas brincadeiras e de exercitar toda a capacidade cerebral disponível e em desenvolvimento.

Quando os pais ou responsáveis têm o desejo de projetar um dormitório ou um espaço infantil, na maioria das vezes solicitam que este possa servir para a vida adulta também. No entanto, é muito importante que seja respeitada a infância. Por isso, são sugeridos papéis de parede bem divertidos, almofadas coloridas, muitos espaços para expor e guardar brinquedos. 

Quanto às cores, existem estudos pedagógicos que incentivam o uso de cores fortes e contrastantes para os bebês, pois ativam os nervos oculares. A maior parte do público infantil gosta de cores, e a ideia de rosa para menina e azul para menino já está sendo modificada. Os times de futebol também influenciam na tomada de decisão quanto às cores.

Enfim, precisamos pensar nos momentos de vida e nas idades pertinentes a eles. Atentar menos para as tendências de época e mais para o gosto pessoal e as possibilidades de aprendizado que os ambientes infantis possam disponibilizar!

margitarnoldf@gmail.com