CANCELA! por Melissa Poletto

Estilo

Estilo
standard image post

O reality show BBB 21 não agrada a todos, mas gostos à parte, ele é um convite de imersão a uma vida real.

Resolvi escrever o texto dessa semana depois da grande polêmica que foi chamada de tortura psicológica em muitos canais de comunicação e por internautas. Vou escrever aqui o meu ponto de vista.

Imagine você, neste exato momento, entrar em uma casa, quero dizer, aceitar o convite de morar com outras 19 pessoas, muitas que você nunca viu, muito menos conviveu. BINGO! Aqui já é o primeiro olhar que convido você a fazer. Já viu o nível de dificuldade que isso iria exigir do seu lado emocional? Aquele lado que a maioria faz de conta que não existe e, em muitos casos, nem quer saber que existe. Pois é... justamente esse é o lado que vai aflorar dentro dos m² da casa do BBB.

E diante do lado emocional aflorado, o que acontece? A pessoa revela suas dores. Revela suas feridas, seus padrões, suas verdades. E aqui, saliento que muitos dos participantes já são pessoas famosas, isto é, que já possuem um (pré)conceito de seus seguidores e fãs. Entretanto, lá no BBB, o emocional aflora, trazendo à tona a AUTENTICIDADE que, às vezes, não vemos no conteúdo digital da pessoa. Esses seguidores e fãs ficam frustrados, pois passam a conhecer um lado que não viam. os que nem seguidores ou fãs são, sentem o chamado para tomar partido. Claro que não podemos generalizar esses grupos, porém a repercussão mostra que uma parcela das pessoas se sente no chamado de se posicionar. E isso ocorre também para outros temas que vão muito além de um BBB.

Fo o convite para olhar para você. Quem é você nessa história? Aquele que se frustra pelo seu ídolo ser humano e cometer erros? Ou aquele que, em vez de apaziguar,coloca lenha na fogueira, porque a sua verdade é maior que o todo? Ou, claro, você pode ser aquele que fica neutro,como se nada estivesse acontecendo. Ou, ainda, você faz como eu, tenta olhar através do que está sendo falado e mostrado pela mídia.

O meu ponto de vista é: as pessoas são reais e imperfeitas. O fato de eu estar certa não obrigatoriamente torna o outro errado e vice-versa. O que é bom para mim pode não ser bom para o outro. O meu comportamento está diretamente relacionado às minhas feridas emocionais da infância, e muitas pessoas não conseguem controlar a criança interior que carrega essa dor.

Alguns olhares que eu tive sobre esses últimos acontecimentos do BBB 21:

Todos somos imperfeitos e carregamos dores e padrões familiares que se arrastam por gerações. Quem sou eu, Melissa, para tomar partido? Para julgar quem errou mais ou menos? Eu apenas me pergunto que dor emocional esta pessoa carrega para deferir tantas palavras de raiva a outro ser humaninho imperfeito, assim como eu.

Terceiro olhar que eu convido você a fazer. Olhe para o seu BBB da vida real. Os participantes que mais convivem com você, como pais, filhos, avós, marido, esposa e amigos. Tente exercitar, a partir de hoje, um olhar mais profundo sobre que aquilo que eles te mostram. O que aquela atitude, aquela aquela palavra estão querendo realmentete dizer? Olhe através dessa pessoa e enxergue as dores dela, as angústias e os pedidos de ajuda.

Escrevendo, percebi que, antes do terceiro olhar, se faz necessário um olhar interno, tipo uma endoscopia. Olhe para você. Perceba em quantas atitudes e conversas vem a presença da sua criança ferida. Tente interpretar o que você quer realmente e que apenas não está conseguindo ter humildade para pedir. Tente se recolher mais e sentir quem é você. O que é importante? Onde moram suas dores e por quê?

Esse exercício facilita o olhar amoroso para o outro, porque primeiro precisamos aprender a fazer isso com nós mesmos, para,depois, transbordar.

Convido você a transbordar amor por aí.