A Fé | Um novo Olhar por Melissa Poletto

Vida

Vida
standard image post

Hoje eu resolvi escrever sobre a fé, algo muito particular de cada pessoa, mas que, pelo menos na minha vida, vem crescendo a cada dia.

Às vezes me pergunto por que à noite, ao deitar na cama, muitas questões surgem e se potencializam. Quando eu era criança, à noite o enjoo chegava, a febre aumentava e os pesadelos perturbavam. Durante o dia não, somente à noite. E hoje em dia não é diferente. À noite, chegam o choro, as perguntas sem respostas, o medo... E é ali, exatamente neste momento, que a fé começa a se fazer presente. Em quantas noites a fé me salvou! Aquela conversa ao pé do ouvido, eu e Ele. Sem muitas intenções, só buscando um conforto, uma segurança.

E este é o ponto. Como a fé, algo intangível, pode nos trazer conforto? Perguntei a mim mesma, em alguns momentos da vida, principalmente os mais desafiadores, o que existiria de maior entre nós e o grande mistério da vida. Na verdade, buscamos respostas, quando o que importa são as perguntas. Toda vez que me pergunto, vejo que há algo maior em cada célula do meu corpo. No céu, no mar, na terra, nas plantas, nos animaisos milagres estão por todo lado. A perfeição.

Sinta o oxigênio entrando e saindo dos pulmões, num vai e vem profundo, amplo e que renova todo nosso sistema. Nós somos o verdadeiro milagre. E para a Melissa, a fé é isso. Algo maior, algo muito poderoso. Um centelha deste poder está dentro do meu ser, porque eu creio que somos uma alma em um corpo físico, e que nossa alma é o divino.

Sendo assim, em meus momentos de fragilidade, é exatamente na fé que faço minha morada. Ali, sinto a paz que preciso. Porém, para que isso aconteça é preciso acreditar. E eu acredito. Acredito que este algo maior, aliás, muito maior do que eu, que sabe exatamente tudo o que eu posso superar. Por este motivo, minhas conversas internas com a fé são muito na linha de que tudo se resolva como deve ser. Sem intenções, apenas concordando com tudo como é e com tudo como chegará até a minha pessoa.

Outro ponto que a fé contribui, e muito, na minha vida é aceitar tudo como foi. Minha frase é: Tudo é como precisar ser. Claro que não posso deixar de olhar para a minha responsabilidade para as coisas serem como são. Porém, a vida não é linear, e conforme ela avança, nós também vamos tirando aprendizados. A maturidade vai acontecendo na medida em que avançamos pela vida. Ela nunca estará concluída, nós vamos crescendo a cada momento, com as diferentes situações impostas pela vida. Mas, certamente, concordar com tudo como é, facilita as minhas decisões.

Claro que não podemos esquecer que toda decisão traz consequências e, muitas vezes, nos faz sentir culpa. Aliás, a culpa faz parte da vida. Amadurecer está diretamente relacionado a assumir a culpa. E neste ponto, vou dar uma dica muito importante. Perfeccionistas têm dificuldade de assumir a culpa, por isso ficam presos em situações e suas vidas não fluem. Pelo simples fato que, ao assumir a culpa, reconhecemos que não somos perfeitos, aliás, ninguém é. E é exatamente assim que vamos assumindo nossas responsabilidades e, carregando umas culpas aqui e outras ali, crescemos e amadurecemos. Vamos ter outras culpas, algumas vezes a mesma, seguindo aquela frase: "Lição não aprendida é lição repetida". Pois é, se repete, é porque ainda não assumimos nossa culpa.

Esta explanação da culpa é para que tenhamos consciência que a fé não pode ser responsabilizada pelas nossas decisões. Eu tenho fé, sim, mas não coloco a responsabilidade dos acontecimentos da minha vida nela. A fé entra naqueles momentos em que compreendo que não tenho controle e precisarei de coragem para enfrentar. A fé me faz confiar naquilo que não tenho controle, mas tenho certeza que pode acontecer em minha vida.

Para os que não creem na fé, tudo bem. Mas eu creio, e muito do que estamos vivendo hoje eu coloco nas mãos da minha fé.

Seguir com fé eu vou, porque a fé não costuma falhar.